Novas denominações para os novos motores a Diesel e a gasolina

Depósito de AdBlue®

Motores Diesel Blue dCi

Para reduzir as emissões de poluentes, os motores Diesel Blue dCi estão equipados com um dispositivo de Redução Catalítica Seletiva (SCR*) que funciona com AdBlue®. Esta tecnologia transforma continuamente os óxidos de azoto (NOx) vindos dos motores Diesel em gases inofensivos (vapor de água e azoto).

Eficaz em todas as situações, esta tecnologia não tem qualquer influência no desempenho dos motores Blue dCi. A sua utilização permite, assim, cumprir as novas normas antipoluição mais restritivas e mais exigentes.

As vantagens

Composto por 32,5% de ureia pura e 67,5% de água
desmineralizada, o AdBlue® é uma solução aquosa incolor e não tóxica.

O AdBlue® está disponível na maioria das estações de serviço.

O seu veículo informa-o progressivamente quando for altura de reabastecer o
reservatório de AdBlue®.

Um abastecimento total do reservatório de AdBlue® do seu veículo permite-lhe
cobrir cerca de 6 ou 8 atestos** do depósito de combustível.

A saber

O AdBlue® deve ser utilizado puro.

Dispõe do seu próprio reservatório, facilmente acessível por detrás da tampa exterior que pode ser comum ao do Diesel ou específica.

O depósito de combustível não deve ser abastecido com AdBlue® nem vice-versa.

Em caso de engano, não ligue o motor porque tal poderá danificar o sistema SCR.

(*) A Redução Catalítica Seletiva consiste em injetar amoníaco (designado por NH3) proveniente do AdBlue® no catalisador de escape. A reação química provocada transforma os óxidos de azoto (NOx) em gases não poluentes (vapor de água e azoto inofensivo).

(**) O consumo de AdBlue® depende das condições de utilização do veículo, dos equipamentos e do estilo de condução. O volume do reservatório de AdBlue®, que depende dos modelos, está geralmente compreendido entre 15 e 20L. O preço do AdBlue® varia consoante a embalagem, mas é sempre atrativo para o consumidor.

Filtro de partículas (FAP)

Motores a gasolina com filtro de partículas

Para reduzir as emissões de partículas, os novos motores a gasolina de injeção direta integram, a partir de agora, um filtro de partículas (FAP) instalado ao nível da linha de escape.

Esta tecnologia retira, dos gases de escape, as partículas aí presentes e faz a sua retenção numa estrutura microporosa alveolada, queimando-as em seguida através de uma regeneração automática e muito regular.

À gama dos motores a gasolina dotados desta tecnologia foi dada uma nova designação: TCe FAP.

As vantagens

O filtro de partículas não necessita de manutenção.

Não tem impacto na condução do veículo.

E, por último, também não influencia o consumo de combustível nem as emissões
de CO2.

WLTP

LER TAMBÉM

Norma WLTP

Um regulamento que se aproxima mais do comportamento de condução na vida real e dos valores de consumo diários.

Descubra o ciclo de condução WLTP